Novo

Vozes Da Tradição

120 reais

em 12x 10 reais sem juros

Frete grátis

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Último disponível!

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Sem garantia

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroVozes da tradição
AutorMarco Haurélio
IdiomaPortuguês
EditoraIMEPH
Edição do livroPrimeira
FormatoPapel

Outras características

  • Tipo de narração: Conto

  • ISBN: 9788579744013

Descrição

Livro Capa dura, miolo colorido em papel couchê
Autor: Marco Haurélio
Ilustração: Luciano Tasso
Indicação: Ensino Fundamental 2
Temas relacionados:
Edição: Primeira
Valor: 90,00
Formato: 16 x 24 cm.
Número de páginas: 184
ISBN: 978-85-7974-401-3

VOZES DA TRADIÇÃO
Marco Haurélio é, na atualidade, um dos maiores coletores de contos tradicionais do Brasil. São centenas de versões, muitas delas já registradas em livros que são hoje leitura obrigatória para quem estuda ou, simplesmente, quer conhecer um pouco mais as tradições populares do nosso país. O projeto Vozes da Tradição, que nasceu de uma pesquisa no sertão baiano, em 2015, incluindo o registro feito em parceria com Lucélia Borges, ampliado com os contos ouvidos em Araxá (MG), é uma homenagem aos mestres e mestras do povo, guardiães da fonte da memória. São as vozes silenciadas pelo advento das novas tecnologias e pela dificuldade, inerente à condição humana, em conciliar o velho e o novo, ou melhor, em entender que as manifestações da oralidade estão para além das questões da temporalidade. As narrativas enfeixadas neste volume, ricamente ilustrado por Luciano Tasso, sugerem que abramos nossos ouvidos e nossos corações e sejamos, nós
mesmos, elos dessa cadeia que nos conecta a povos e lugares, reais ou irreais, fazendo valer o princípio da fraternidade universal que norteia os contos do País da Infância.